10/06/2017

#Resenha 105, O Muro, do autor Willian Sutcliffe.

SINOPSE: 
Um romance emocionante e uma fábula política e ideológica marcante sob o ponto de vista de uma criança. Joshua tem 13 anos e mora com a mãe e o padrasto em Amarias, um lugar isolado no topo da montanha, onde todas as casas são novíssimas. Na fronteira da cidade, há uma barreira bem alta, guardada por soldados fortemente armados e que só pode ser cruzada através de um posto de controle. Ninguém deve entrar naquele lugar, e quem está lá não tem permissão para sair. Desde pequeno, Joshua sabe que, do outro lado daquela muralha, há um território violento e implacável e que O Muro é a única coisa capaz de manter seu povo em segurança. Desde pequeno, ele sempre ouviu que, do outro lado, havia um território proibido, um lugar violento e perigoso, do qual um garoto como ele deveria manter distância. Um dia, a bola de Joshua cai do outro lado do Muro e, ignorando tudo o que sempre ouviu, ele vai atrás dela e acaba descobrindo um túnel que o leva a uma realidade que jamais imaginou encontrar. Lá ele acaba caindo nas mãos de uma gangue sanguinária, mas a bondade de uma menina salva sua vida. Porém isso acaba desencadeando um ato de extrema crueldade e coloca Joshua em dívida com ela... Uma dívida que ele fará de tudo para pagar.


#RESENHA


Para quem acompanha os noticiários, seja na pela internet ou televisão, sabe sobre os imensos conflitos que ocorrem principalmente na região do Oriente Médio.

Confesso que quando recebi a News da editora para a escolha dos livros, não imaginei que O Muro seria um livro tão profundo como ele é. A história narra de uma forma fictícia, mas carregada de momentos que vemos no mundo real, a vida de uma criança de apenas 13 anos que tem o seu mundo preso ao redor de um muro.

"Com o túnel nas mãos do exército, agora a apenas uma forma de chegar além do muro. em circunstâncias normais, isso é algo que sequer passaria pela minha cabeça, mas não consigo pensar em nenhum outro método e sei que, se não tentar fazer alguma coisa, não conseguirei ir embora com a consciência limpa". (p.276)

Como sempre gosto de falar um pouco sobre a história em si, pois detesto spoliers e por isso sempre evito em minhas resenhas detalhar demais as histórias, darei uma geral sobre minha visão acerca da história.

Primeiramente, você irá conhecer no início do livro, Joshua um menino de apenas 13 anos que vive na cidade de Amarias, um lugar, como cita a orelha do livro, isolada no topo da montanha. Ele perdera o seu pai nos últimos cincos anos, e após desse trágico incidente sua mãe resolveu casar-se novamente, e o seu padrasto é o típico de homem que demonstra sua frieza e insensibilidade com a criança. Embora Joshua não seja apenas um santo, ele tem lá suas crises de encrenca e teimosia.

O autor irá detalhar de forma emblemática toda a visão do garoto, pois a história é contada em primeira pessoa (coisa que amo nos livros, não me importo de não conhecer o outro lado da história) e consegue descrever, relatar e tocar o leitor de uma maneira magnífica.

"É bom ter coisas assim em que pensar quando você está fazendo algo assustador, porque não faço ideia de quanto tempo já estou rastejando, ou que distância percorri, no momento em que minha lanterna ilumina algo branco acinzentado. Paro e estico a lanterna à minha frente, olhando atentamente na escuridão, apertando os olhos para tentar distinguir um formato reconhecível no borrão de cor". (p.26)

Tudo começa quando a bola que Joshua brinca com seu amigo cai do outro lado do muro, e após esse fatídico incidente a vida desse garoto muda completamente. As histórias que circulam sobre o que existe atrás do muro são de arrepiar, violência, pessoas más, fome e tudo mais é descrito e contado para todos os habitantes de Amarias, e por isso ninguém entra ou sai da cidade sem permissão.

Percebi que o autor quis retratar de forma literária a situação que cidades como a Palestina se encontram. Pois todo a pressão que cai sobre aquele povo e sobre os perigos que estão ao redor é muito bem retratado no livro.

Após criar coragem e atravessar o muro por um túnel, Joshua descobre o que existe por trás. Lá ele faz amizade com uma garota chamada Leila que é totalmente diferente do que ele imaginava. Ajuda pessoas que jamais imaginou que existiam, e desperta dentro do garoto conflitos internos que o levam a não desistir.

"Não sei se tenho mais medo do túnel ou do outro lado, mas, quando começo a rastejar, sinto uma nova espécie de medo se estabelecer  dentro de mim (...)". (p.128)

Para você que curte literatura profunda, com reflexões sobre existência, luta por direitos e acima de tudo liberdade, deveria adquirir o exemplar desse livro. Sem contar que a obra possui um excelente trabalho gráfico desde a capa a diagramação do livro. A história é dividida em 5 partes, mas que flui sem problema algum.

Entendam, que apesar do livro ser contato em primeira pessoa, ele deixa uma mensagem e permiti que você, através dos olhos do garoto, entenda tudo o que se passa ao redor, é tocante e profundo ler um enredo onde o autor não poupou sentimentos e descrições que mexem com a nossa alma.


Até a próxima!
Tony Ferr

Sou Tony Ferr e amo o que faço. Tenho 23 anos, ainda! Sou escritor apaixonado e blogueiro por vocação! Amo romances de época e contemporâneos, falando de amor está na minha estante! A música e a pintura também fazem parte de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DICAS LITERÁRIAS | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2016 | POR:
COMPRE AQUI O LAYOUT QUE SEU BLOG MERECEBILLION DOLLAR LAYOUTS